Arquivo de novembro 2013

Bom Humor F.C. / Foto: Reprodução

Bom Humor F.C.

Todo mundo aqui sabe que eu sou daquelas que defende um futebol mais divertido, leve e prazeroso. Um futebol que tem momentos tristes e felizes (mas que não deixa de ser uma questão de vida ou morte), mas que vai de encontro a qualquer radicalismo, mau-humor, neurose, perseguição e, na falta de outra palavra pior, CHATICE!

Ontem (segunda-feira, 25), Seedorf deu uma declaração sobre Ganso no programa Bem, Amigos, do Sportv. Entre outras coisas, falou que “Ganso tem muito talento, mas anda um pouco devagar dentro do campo. E com esse ritmo, não vai dar na Europa. Com o talento que ele tem, se coloca um pouco mais de intensidade no jogo, com a condição que possui, aí sim será um jogador diferenciado”.

Aí eu li um comentário, que apareceu no facebook de alguém, de um cara falando que “só pra lembrar, Seedorf está jogando aqui porque não tem mais futebol pra jogar na Europa e não tem nada que abrir a boca pra falar de ganso” ou algo assim. Claro que eliminei os xingamentos na frase.

Gente, peraê! O cara, que “só pra lembrar” é aquele craque holandês que foi campeão da Champions League quatro vezes, elogiou, analisou e fez uma crítica construtiva (aquela que oferece uma sugestão de melhora de alguma forma) de um jogador. Cadê problema nisso? Cadê a polêmica? Cadê motivo pra isso se tornar mais do que uma simples declaração. Não faz nenhuma diferença se ele está no fim da carreira (e mesmo assim jogador mais do que muito moleque), se ele joga no Brasil ou na Europa. É a opinião dele. E que, independente de alguém concordar ou não, foi dada da forma mais educada e com o maior respeito possível.

O exemplo é específico, mas vale pra muitos e muitos casos todos os dias. Se na vida real na sociedade em geral as pessoas simplesmente não conseguem respeitar a opinião dos outros, no mundo do futebol a coisa chegou num nível inacreditável de intolerância, mau humor e chatice. Provavelmente isso já era comum, mas se tornou mais visível com o uso das redes sociais. É por isso que a gente vê cada vez mais jornalistas esportivos (que dão opinião) abandonarem o twitter, o facebook, o blog. É insuportável conviver com esse tipo de coisa todos os dias. Tudo é motivo pra denegrir, pra achar defeito, pra uma 3° guerra mundial (essa obsessão chatíssima sobre a qual já escrevi de escolher entre Messi e Cristiano Ronaldo tá no bolo). Pera lá, moçada! Se futebol é mais do que uma questão de vida ou morte, também é maior do que esse tipo de comportamento.

Torcedor não precisa ter o mesmo nível de bom senso que um jornalista, por exemplo (mas tenham algum ao menos, né?!). É natural e aceitável ser parcial, achar que o atacante adversário não joga nada, e que seu time é vítima de um complô internacional. Faz parte. Futebol de arquibancada é irracional, é passional. E eu sou super a favor das provocações (bem humoradas) no futebol. Sinto falta, por exemplo, de jogador que fala o que pensa, que provoca, que promete isso e aquilo, que pirraça o adversário. Mas pra tudo isso, pra provocar, ser provocado, opinar e aceitar as opiniões dos outros, é preciso ter bom humor. Levar as coisas de forma mais leve, menos a ferro e fogo. E, se você é um chato que não tem bom humor, nem bom senso, ao menos tenha respeito.

Obs. Essa é a última vez que eu dou bronca em vocês em 2013 porque quem já está ficando chata e perdendo o bom humor sou eu!

Comments Nenhum comentário »

A menininha e o futebol

“Os volantes estão afastados demais dos dois meias. Pra transição defesa – ataque funcionar, eles precisam compactar mais o time e, consequentemente, diminuir a possibilidade de erros e desarmes”, diz a analista esportiva durante um jogo na Copa do Mundo. Ela sabe do que está falando. “Ei, você está tentando roubar o meu emprego?”, pergunta o comentarista há anos na emissora. “Talvez”, ela responde com um sorrisinho.

Propaganada garotinha do futebol / Reprodução

A cena (adaptada livremente para português e para o nosso futebol), acontece numa campanha que tem feito o maior sucesso na National Football League (em português: Liga Nacional de Futebol Americano; abreviação oficial: NFL). A analista é uma garotinha por volta de seus oito anos que, indignada com o preconceito de que meninas não entendem/gostam de futebol, resolve aprender tudo sobre o esporte! #meidentifiquei

Não achei o comercial com legendas em português, mas é fácil de entender mesmo pra quem não fala nada de inglês. O roteiro começa com uma cena bem familiar para muitas meninas. Uma garotinha pergunta feliz ao seu irmão mais velho e amigos se ela pode jogar futebol (americano) com eles. O irmão responde: “Não, você sequer entende de futebol”. Claro, está implícito que o motivo é porque ela é uma menina. Os amigos todos riem.

Indignada, a menininha começa a aprender tudo sobre o esporte usando a internet (o comercial é de uma empresa de internet banda larga). Nas cenas finais, a danada está numa transmissão de futebol na tv onde um dialogo similar com o que inventei no início desse texto acontece. Seu irmão e os amigos (aqueles mesmos que não deixaram ela jogar no início da propaganda) assistem à cena chocados e um deles pergunta: “É a sua irmã?”. O menino balança a cabeça positivamente sem palavras. Aí vem a porrada final: “Eu leio o blog dela. É muito bom, cara”, completa um dos amigos dele. #comonaoamar

Eis o vídeo:

Pois bem, este blog apoia a menininha do vídeo e todas as mulheres que gostam e entendem de futebol. Tive a sorte de crescer numa família onde a cena de abertura do comercial jamais aconteceria. Meu irmão mais velho sempre teve orgulho da irmã que adorava futebol e o resto da história vocês já sabem.

Abaixo, outros vídeos que fazem parte da campanha que começou a ser veiculada em outubro nos Estados Unidos.

Comments Nenhum comentário »

Copa 2014 – Arrumando as malas!

Enfim, a pouco mais de seis meses para a Copa do Mundo de 2014, as 32 seleções que virão ao Brasil estão definidas. Nada de “zebras”! Uruguai (campeão em 1930 e 1950), Itália (1934, 1938, 1982 e 2006), Alemanha (1954, 1974, 1990), Inglaterra (1966), Argentina (1978, 1986), França (1998) e Espanha (2010) se juntam ao Brasil em um mundial que terá a tradição de todas as equipes que já levantaram a taça ao menos uma vez na história. Não sei vocês, mas eu adorei.

E com as classificações garantidas, começaram também as provocações, as previsões, as projeções e o frio na barriga.

Primeiro, um vídeo lançado pela Puma, patrocinador da seleção uruguaia. É a peça mais provocativa (e criativa) da leva: “O fantasma de 50 está no Brasil”.

Segundo, um vídeo lançado pela Adidas para emocionar todo mundo os espanhóis.

Os uniformes para a Copa do Mundo também já estão sendo colocados na mala, novinhos e cheirosos! A França aproveitou para dar uma provocadinha.

Uniforme da França 2014

Uniformes Argentina Alemanha México e Rússia Copa 2014

Por fim, uma ferramenta viciante divertida para quem não aguenta de ansiedade pro sorteio dos grupos do torneio, que acontece, no dia 6 de dezembro, na Bahia. Basta ir lá no simulador online criado pelo site UltraZone. Se não acontecer nenhuma surpresa nas regras do sorteio, os franceses devem ficar em uma posição especial, diferente das demais seleções europeias do pote 4, onde estarão todas as seleções europeias. Isto porque a França não poderá cair em um grupo que tenha uma seleção europeia como cabeça-de-chave. Assim, excluindo Espanha, Alemanha, Suíça e Bélgica (as cabeças de chave da Europa), restam apenas os grupos encabeçados por Brasil, Argentina, Colômbia e Uruguai. A outra regra é que Chile e Equador, participantes do pote 3, não podem cair em grupos onde seleções sul-americanas são cabeças de chave.

Pelas possibilidades, o Brasil pode ganhar um grupo da morte e DO TERROR, com México, França e Itália ou um grupo com Honduras, Argélia e Bósnia de bandeja. E aí, vocês preferem com ou sem emoção?

Comments 1 comentário »

Vem, Cristiano Ronaldo! Vem, Messi! Vem, você aí também!

Reprodução da página fpf.pt após a classificação de Portugal

Mas, nossasenhoradacopadomundo, qual é o problema de vocês com essa obsessão de escolher entre Messi e Cristiano Ronaldo?!? Por que vocês não podem simplesmente apreciar o futebol absurdamente genial dos dois?! Por que não desejar uma Copa no Brasil com os dois craques (e todos os outros mais que existirem nesse planeta)?

Eu entendo que exista preferência entre um e outro. Messi é produto de seu talento. É orgânico, escorregadio, velocidade, drible. Cristiano Ronaldo é produto de muito treino (e não de marketing). É força, trabalho, concentração, determinação, esforço. O que não significa que o argentino não treine, muito menos que o português não tenha talento. Se um dia colacassem um revólver na minha cabeça e mandassem eu escolher entre os dois, eu decidiria por Messi. Muitos outros diriam o nome de CR7.

Mas, vejam só, que notícia maravilhosa, ninguém está me ameaçando (nem vocês!!!) de morte e eu não tenho que escolher um OU outro. Os dois são craques absurdos e, ainda que você tenha preferência por um outro, dá pra curtir o futebol dos dois!

A gente fala tanto do futebol do passado, dos craques que marcaram época quando a gente nem era nascido ou acompanhava o futebol holandês, chora tanto a falta de jogadores como Garrincha, Maradona, Cruyff, Zidane e outros monstros do futebol que não consegue nem perceber o quão sensacional é poder acompanhar Messi e Cristiano Ronaldo jogando num mesmo momento do futebol. Eu mesmo vivo reclamando que não tive o privilégio de ver Garrincha jogar. É justamente por isso que aproveito cada minuto em campo de Messi e Cristiano Ronaldo. Não sendo contra a Seleção Brasileira, quero mais é que eles quebrem todos os recordes e tenham as atuações mais inacreditáveis possíveis.

E chega desse assunto porque já é a segunda vez que dou essa bronca falo disso aqui no blog. Que venham Portugal, Argentina, França (ou não pode gostar de Ribery TAMBÉM????) e todos os seus craques!

Comments 2 comentários »


Warning: readfile(../ga.txt): failed to open stream: No such file or directory in /home/claraalbuquerque/claraalbuquerque.com.br/wp-content/themes/mandigo/footer.php on line 356